Viajar não é simplesmente completar um álbum de figurinhas

 

Sim, o post é polêmico, pois afinal cada um faz o que bem entender da sua vida. Mas, como recentemente tenho visto uma série de postagens de “jovens” que conheceram todos os países do mundo, não poderia de escrever sobre o assunto.

Vejo alguns blogs compartilhando esse tipo de artigo: “Homem visita todos os 198 países do mundo e recomenda 12 imperdíveis”, “jovem é a primeira mulher a conhecer todos os países do mundo”, ” britânico é o mais jovem a visitar todos os países do mundo” são alguns exemplos que vi recentemente.

Num primeiro momento pode parecer algo inspirador: “Opa, vou colocar alfinete no globo terrestre inteiro” ou “Deixa eu fazer check in em todos os lugares do mundo aqui no facebook pra todo mundo ver”. As vezes chega a parecer uma disputa para ver quem conhece todos os países do mundo primeiro. Mas será que isso realmente é importante ?

Viajar não é sair colocando alfinete pelo mundo

Vamos pensar um pouco. “Americana visita todos os países do mundo em tempo recorde”. Segundo matéria do UOL NOTÍCIAS, a norte-americana Cassie de Pecol, 27 anos, completou a aventura em tempo recorde: 18 meses e 26 dias. Na matéria, diz que ela visitou 196 países. Agora vamos botar em prática a regrinha de três que aprendemos na escola: isso dá aproximadamente 1 país a cada 3 dias. Isso, sem levar o tempo que você gasta para chegar até o aeroporto ou terminal rodoviário, esperar o voo ou ônibus e o tempo de viagem em si.

Sinceramente, não acredito que isso seja viajar, não em sua verdadeira essência. Penso eu, que ao viajar, devemos explorar ao máximo tudo que um povo ou cultura tem a nos oferecer. Muitos estão preocupados em tirar fotos nos principais pontos turísticos, mas se esquecem que por trás de uma nação, existe uma história.

Desde que comecei a viajar, há alguns anos, nunca visitei mais de um país numa mesma viagem. Muitos me criticam por isso: “Como assim, 30 dias nas Filipinas? Pagou caro numa viagem e não foi na Tailândia?”, “Foi na Europa e só visitou a Alemanha? Cê é doido!”.

Para mim, não tem experiência melhor do que essa. Me embrenhar numa cidadezinha que poucos ouviram falar, experimentar uma comida local num restaurante escondido no meio do nada. Aprender sobre a cultura local, conversar com um morador, vivenciar a rotina de um cidadão local. Sair sem se preocupar com horário, de perder o voo no dia seguinte.

Na minha viagem para Alemanha, enquanto estava em Dresden (uma cidade que muitos nunca ouviram falar e que foi destruída durante a Segunda Guerra) me recordo de uma das mais lindas cenas que já vi. Um casal de idosos alemães que contemplavam um belíssimo por do sol, sentados num harmonioso banco branco com vista para o rio.

Após o término do espetáculo, me aproximei para conhecer um pouco sobre suas histórias e, o educado senhor, disse que conheceu sua única e amada esposa antes da guerra, mas que foram forçados a se separarem enquanto Dresden era atacada. Se reencontraram anos depois e, este senhor com mais de 90 anos vive feliz com sua esposa até hoje.

Acredito que momentos como esse sejam mais difíceis de viver, se você está mais preocupado em completar o álbum de figurinhas. É claro que cada um viaja do jeito que bem entender, mas um conselho que posso dar para você que está lendo este artigo é: VIVA intensamente cada viagem, aproveite ao máximo, explore! Viaje para o exterior mas também explore nosso país, que é rico culturalmente, além de possuir lindíssimas paisagens naturais.

Cadastre seu e-mail e receba gratuitamente dicas e roteiros de viagens
Quero receber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre seu e-mail e receba gratuitamente dicas e roteiros de viagens
Quero receber